Carol Loch, Crônica, Opinião, Vida Saudável

Isso faz mal? Isso faz bem? – Um jeito de ver a comida sem ir muito além.

24/06/2016

Desde que, por livre e espontânea curiosidade, comecei a me aprofundar no mundo dos nutrientes, virei referência pros amigos e familiares.

Embora nem todo mundo aceite meu novo ~ jeitinho ~ de ser, sempre tem aquela amiga que só come um belo almoço depois de me consultar: “isso pode, né?”.


Queria eu ter o poder de dizer o que cada um pode ou não fazer, mas a verdade é que tenho guardado o maior segredo somente para mim. E chegou a hora de dividi-lo:

Miga, pode tudo. Mas, com uma condição: que você saiba o que está fazendo.

Foram meses e meses educando meu paladar e mente sobre alimentação saudável, mas encaro meu conhecimento sobre “equilíbrio” como meu TCC, o projeto final dessa primeira fase (sim, muitas outras virão).

Aprendi que a rotina é que te constrói e uma exceção não te destrói.

Que ser saudável não vale se for sofrido e que comer o que tem vontade uma vez ou outra não vai estragar sua saúde (com exceção dos alérgicos, intolerantes, etc., lógico) e muito menos te tornar uma pessoa pior.

Aprendi que se você tem vontade de comer uma coisa é porque seu corpo ou alma estão querendo e isso merece ser atendido. Ao mesmo tempo, aprendi que quando a gente come comida de verdade, o corpo e alma gostam tanto que são raros esses momentos de “meudeusprecisodessebrigadeiro”.

Só que “poder tudo” vale pra quem tem hábitos saudáveis sempre, como rotina, e não só nas segundas-feiras. Quando a base da sua vida alimentar tem os nutrientes certos, na medida certa, do jeito certo, não tem porque pesquisar no google “chocolate engorda”, “quantos gramas de carboidrato tem na banana” ou “chia emagrece”.

Ter consciência do que está fazendo com o seu corpo diariamente é muito melhor do que recusar a canjica da sua avó ou chorar depois de comer uma paçoca.

Então quer saber mesmo o que faz mal? O excesso. E também a falta de conhecimento.

E o que faz bem? Ser capaz de decidir sozinho e sem tristeza se vai ou não pegar aquele pedaço de pudim.

Vitória não é ter o prato “aprovado” por aquele seu amigo natureba. Vitória mesmo é ter seu prato aprovado por você. 🙂

Gostou do texto da Carol Loch? Deixa um comentário contando contando pra ela! 

 

Comentários

You Might Also Like

2 Comments

  • Reply Mari Medeiros 26/06/2016 at 10:54 pm

    Ah <3
    Todo mundo acha que é coragem comer bem de domingo a domingo, mas é amor ao corpo! E então, amor a alma quando tem uma pipoca doce cheirosa no cinema, brigadeiro na festinha ou batata rústica sequinha e suculenta na dose certa de tempos em tempos.

    • Reply Carol Loch 27/06/2016 at 4:03 pm

      Sim! O amor ao corpo e a alma quando misturados dão nisso: vida saudável. Tudo na dose certa e no momento certo. <3

    Leave a Reply